Luiz Ayrão: 70 anos de vida e 40 como cantor





Luiz Ayrão: disco para comemorar 70 anos de vida e 40 como cantor
Foto: Leonardo Aversa / O Globo


Luiz Ayrão: disco para comemorar 70 anos de vida e 40 como cantorLEONARDO AVERSA / O GLOBO
RIO - Nome pouco lembrado atualmente, Luiz Ayrão era sinônimo de sucesso na década de 1970, quando teve discos com 1 milhão de cópias vendidas. Quem for ao seu show hoje, às 19h30m, no Teatro Rival, poderá ligar o nome às músicas, pois é difícil não reconhecer “O lencinho” (seu hit maior), “Porta aberta” (gravada recentemente por Teresa Cristina), “Bola dividida” (por Diogo Nogueira e Zeca Baleiro), “Nossa canção” (por Mallu Magalhães).
— Essas regravações são a forma de me manter na memória de muita gente, porque os caras não dão chance... — diz ele, no condomínio da Barra em que fica quando está no Rio, pois a maior parte do tempo passa em São Paulo, onde ganhou na última semana o título de cidadão paulistano.
“Os caras”, para esse carioca de 70 anos completados em janeiro, são os responsáveis pelas programações de TV e rádio, principalmente. Mas Ayrão tem uma visão mais histórica do que lamuriosa da situação. Reconhece que os tempos mudaram e que, se nos anos 1970 as grandes gravadoras determinavam de Rio e São Paulo o que seria sucesso em todo o país, agora esse processo é regional, graças ao barateamento da produção viabilizado pela tecnologia.
— Nunca entrei em depressão, nunca tive problema de autoestima. Continuei trabalhando, criando — assegura ele, que não conseguiu atender ao pedido do fotógrafo para posar sério. — Para mim, ficar sério é difícil.
Ele já teve bons motivos para ficar triste. Era adolescente quando o pai, militar e um dos muitos músicos da família, morreu. Para ajudar à mãe, trabalhou de engraxate no quartel da PM onde Darcy Ayrão servia. Compositor desde os 11 anos, fez canções na União Nacional dos Estudantes durante o período em que estudava Direito. Na noi$do golpe de 1964, foi preso, ficando nove dias longe de casa. Sua porção política reapareceria na década seguinte, quando teve músicas censuradas, entre elas “Meu caro amigo Chico”, dedicada a Chico Buarque.
— Minha única fase emocional ruim foi no início dos anos 1970, porque vi que o país estava longe daquilo que eu sonhava. Tive Síndrome de Pânico — conta Ayrão, que se tornou espírita naquela época, tendo lançado em 2004 o livro “O país dos meus anjos” (“É o meu caminho do comunismo ao espiritismo”, diz, rindo) e, seis anos depois, “Meus ídolos e eu”, com histórias do meio musical.
Três hits na voz de Roberto Carlos
Uma das mais importantes é ter conhecido Roberto Carlos bem antes da fama, quando o capixaba foi ser seu vizinho no Lins. Do amigo, o Rei gravaria “Só por amor” (em 1963), “Nossa canção” (1966) e outro grande sucesso, “Ciúme de você” (1968). Pretendia apenas $a atividade de compositor com a advocacia, mas convencido a interpretar “Porta aberta”, homenagem que fez à sua Portela, viu o samba estourar em 1973 — o que lhe confere 40 anos de carreira como cantor.
— Noutro dia eu falei com o Almir Guineto: “Não sei se sou sambista, cantor romântico...” Sabe o que ele me respondeu? “Você é clínico geral, Ayrão.” Acho que é isso — diverte-se.
Além do show de hoje, Ayrão vai comemorar as datas redondas com um CD (previsto para maio e o primeiro em três anos) em que volta a cantar sucessos e lança novas, como “O garoto da camisa amarela”, referência a Neymar, e “Tico-tico no fubá”, com letra sua.
— Vai sair pelo selo que eu criei, o Maxxim Records. O marido da Luma de Oliveira (Eike Batista, na verdade ex) não põe todas as empresas com X? Pus logo dois X — diz ele, antes de outra gargalhada.

Posted by Paulo Studiow @ terça-feira, 24 de abril de 2012 0 comments

Share This Post

RSS Digg Twitter StumbleUpon Delicious Technorati

Related Posts

0 Comments

No comments yet. Be the first to leave a comment !
Leave a Comment

"O grande segredo para a plenitude é muito simples: compartilhar." --Sócrates

Música é vida!

Next Post Previous Post
Related Posts with Thumbnails