Archive for Setembro 2012


Getty Images
O rapper 50 Cent

50 Cent é uma personalidade polêmica, disso não há dúvidas. Mas as últimas declarações do rapper no Twitter deixou muitos fãs chocados. O norte-americano deu quatros dicas aos seus seguidores para evitar a masturbação. 
Segundo as mensagens publicadas pelo cantor, ele é o novo adepto da abstinência sexual. "Mulher é igual a confusão, e não preciso disso agora", escreveu. Na sequência, 50 Cent mostrou seus "passos para não se masturbar".
"Passo 1 - Para evitar a vontade de se masturbar, pare de frequentar sites pornográficos."
"Passo 2. Faça uma decisão consciente de não virar sua cabeça depois que as pessoas passarem por você."
"Passo 3. Não vá a clubes de strip."
"Passo 4. Não olhe para revistas 'cheias de luxúria."
Excêntrico ele, não? 





Artista: Claudia Leitte
Álbum: Negalora
Gravadora: Som Livre
Lançamento: 2012
Gênero: Pop, Axé
Formato: MP3
Qualidade: 206 Kbps
Tamanho: 102 Mb

Negalora: Ao Vivo é o título do segundo álbum ao vivo e DVD da carreira da cantora e compositora de axé music brasileira Claudia Leitte, sendo o terceiro álbum lançado em sua carreira solo. O trabalho inicialmente se chamaria Verde e Amarelo – Ao Vivo, sendo modificado o título posteriormente.
Tracklist:
01. Bem-Vindo Amor
02. Dois Caminhos (Mestre E Aprendiz)
03. Afaste-Se De Mim (Alejate De Mi)
04. Crime – Part. Henrique Cerqueira
05. Telegrama
06. Pot-Pourri – Part. Carlinhos Brown – Pra Todo Efeito/Amantes Cinzas
07. Amor Super-herói
08. Gps
09. Black Man
10. Você Existe Em Mim
11. O Tempo Não Para – Part. Tico Santa Cruz
12. A Noite Dos Jangadeiros (Clareou)
13. Falando Sério
14. Sorri, Sou Rei – Part. Max Viana E A Tapa
15. Incendeia
16. Sambah
17. Locomotion Batucada
18. Magalenha – Part. Sergio Mendes


  • PSY, dono do hit Gangnam Style, um dos mais vistos da história do Youtube
    PSY, dono do hit Gangnam Style, um dos mais vistos da história do Youtube
Com estilo brega-chic e uma dança bizarra sobre um cavalo imaginário, o cantor coreano Psy fez com que o clipe da música “Gangnam Style” se transformasse em um dos vídeos mais vistos e “curtidos” da história. São dois milhões de “likes” e mais de 260 milhões visualizações. No Brasil, o hit ganhou até uma versão criada por Latino, apesar de ter sido reprovada por parte do público.

As belas dançarinas, o figurino impecável, a coreografia bem ensaiada e a batida eletrônica de “Gangnam Style” também chamaram a atenção do grande público para o fenômeno no qual Psy está inserido: o pop coreano, ou o K-pop, que atrai novos fãs desde a década de 1990. Assim como no pop ocidental, o gênero conta com influências do hip-hop, rock, R&B e a música eletrônica, mas com sonoridade diferente e com artistas que parecem saídos de desenhos animados.




Versão de Latino para o hit coreano:

O trabalho do musicoterapeuta é utilizar a música como uma maneira de acionar elementos guardados no interior da mente e resolver questões que trazem angústia para o paciente


Segundo a musicoterapeuta Anna (à esquerda), nem todas as músicas são benéficas (Foto: Diário de Guarapuava)
Alguns estudos recentes sugerem que o cérebro responde aos estímulos musicais como se fossem remédio. Isso significa que algumas canções podem regular funções do corpo, reduzir o estresse e até desenvolver habilidades motoras.

Como somos sujeitos únicos, formados através das nossas experiências de vida, não é possível estabelecer uma única música que traga os mesmos efeitos para todos. Cada um, com suas preferências e vivências, tem uma trilha sonora capaz de despertar sentimentos e trazer a cura para os males da alma.

A especialidade que utiliza a música para melhorar, manter ou restaurar o bem estar de uma pessoa é a musicoterapia. O trabalho do musicoterapeuta é utilizar a música como uma maneira de acionar elementos guardados no interior da mente e resolver questões que trazem angústia para o paciente. Além disso, é utilizada para outros fins, como para trazer à tona as lembranças esquecidas pelos portadores de mal de Alzheimer, no tratamento de autismo, hiperatividade e de deficiências mentais.

A musicoterapeuta Cristiane de Cássia Kramer Maibuk trabalha na área há 10 anos. Segundo ela, apesar dos benefícios trazidos pela técnica, em Guarapuava ainda são poucos que a conhecem. “O campo maior de atuação é com crianças com necessidades especiais, com as quais a música tem uma ação muito importante, ajudando-as a melhorar a expressão e a comunicação”, explica.

No caso dos adultos, a maioria dos que procuram o tratamento é para diminuir o estresse ou para auxiliar no tratamento da depressão, alcoolismo e dependência química.

Quem pensa que o tratamento com musicoterapia se limita a ouvir músicas calmas e relaxantes engana-se. Durante as consultas, o terapeuta faz uma análise do histórico e gosto musical do paciente e através da música vai trabalhando emoções e traumas.

A musicoterapeuta Anna Paula Caillot Amaral, afirma que há uma explicação para que, em contato com a música, as emoções aflorem. “Mesmo quando a pessoa tem um bloqueio emocional, ela pode se soltar com uma música. O som acaba remetendo a uma determinada fase da vida, cheiros e gostos que caracterizaram essa época”.

Evelyn Souza Viccari experimentou uma sessão de musicoterapia e se surpreendeu. “Achei que ia ficar deitada, ouvindo sons de pássaros e cachoeira. Mas cantei, utilizei instrumentos musicais e me senti à vontade para me expressar. Pude me conhecer mais e ver o que posso mudar para me sentir melhor”, conta.
Formação do gosto musical
A influência da música na vida é incontestável. Isso porque desde que estamos no útero da mãe somos interpelados por uma sequência de barulhos do mundo exterior que nos fazem gostar mais ou menos de um determinado som depois que nascemos. Pesquisas mostram que filhos de mães operárias, que trabalhavam em fábricas ruidosas, sentem-se incomodadas quando ouvem sons muito altos, reflexo do tempo em que conviveram, junto com a mãe, em ambientes assim.

Por isso, Cristiane afirma que a formação do gosto musical pode começar na  barriga da mãe, embora sofra transformações durante a vida. Então, aquela conhecida história de colocar músicas suaves para ouvir durante a gravidez para acalmar a criança é verdadeira. E depois do nascimento, quando a criança ouvir novamente aquela música acabará se sentindo relaxada.

As músicas que a família ouve também são fundamentais na constituição do gosto musical da criança, pois essas primeiras experiências musicais se tornarão marcas levadas pela vida toda, que suscitarão lembranças de diversos momentos importantes. Com idosos, uma forma dos familiares terem bons momentos e auxiliarem na retomada de lembranças antigas é pesquisar o passado musical dos pais e avós. Que músicas eles ouviam? Certamente nos primeiros acordes, muitas lembranças virão à tona.

A música "Sandau", da banda Tereza, descreve uma cena típica do Rio: ônibus cheio em um domingo quente em direção à praia. A bagunça inclui pessoas locais "segurando o tchan" e estranhos "gringos de saia". A viagem condiz com o som do jovem quinteto que ganhou o troféu "Experimente" como aposta do Prêmio Multishow 2012. A banda mistura modernidades estrangeiras incomuns para o grande público com pop brasileiro mais "ordinário". "A gente quis causar essa confusão, exagerar no pop e ao mesmo tempo no alternativo", diz o guitarrista Mateus Sanches.

O grupo de amigos de colégio em Niterói está junto como banda há quatro anos. Exceto o baterista Rodrigo Martins, com 21, todos têm 23 anos. Os jovens resolveram, há um ano, trancar a faculdade para se dedicar à Tereza. Em 2012, lançou o álbum "Vem ser artista aqui fora". O nome da banda é homenagem à garota mais cobiçada entre os alunos. "Ela era a bonitona da escola", lembra Mateus. Tereza, hoje amiga do grupo, festejou com os integrantes da banda homônima o recente prêmio.

Quando vocês cantam 'beat it laun daun daun', na música 'Sandau', fazem uma referência ao Skank ou é coincidência?
Mateus Sanches - Foi uma referência direta. A música conta uma historinha, de ir para a praia num domingo com calor de quarenta graus. “Garota nacional” está tocando no ônibus, todo mundo se empurra, aquele cheiro de protetor solar. O pop dos anos 90 foi uma referência musical no CD e nessa música a gente cita na lata.

Uma resenha do jornal 'O Globo' citou a Kelly Key. É uma referência?
Mateus Sanches -
A Kelly Key não foi uma influência direta. Mas contamos sobre essa citação para o nosso produtor, no Prêmio Multishow, e ele disse que isso era a melhor coisa que poderiam ter falado do disco. A gente quis causar essa confusão, exagerar no pop e ao mesmo tempo no alternativo. Tem essa coisa do “trash” mais proposital.


 O disco de vocês tem coisas eletrônicas que podem ter vindo tanto do funk melody carioca quanto do electropop resgatado por muitos grupos gringos atuais. Qual foi a fonte?
Mateus Sanches -
São as duas coisas. A gente quis usar as referências nacionais dessa época. Resgatar coisas que ouvia quando estava junto no colégio. Quisemos ilustrar um tempo nostálgico. Era isso que tocava na rádio, que ouvia em festa. Quisemos misturar com o rock mais moderno, que a gente curte. Funk melody com Empire of the Sun e Hot Chip.

O Rio de Janeiro teve recentemente outras 'revelações' do rock, como Moptop e Rockz, que foram elogiadas, com bom público local e especializado, mas não viraram nomes nacionais para o grande público. Vocês querem passar dessa etapa?
Mateus Sanches -
A gente pretende ir adiante. O único single que lançamos até agora foi “Vamos sair para jantar”, que é mais difícil, mais underground. Foi bom conquistar coisas só com essa música lançada. Agora que o nome está no ouvido das pessoas, a gente fica mais confortável para lançar músicas mais fortes, como “Sandau” e “Calçada da batalha”. E tentamos evoluir sempre. As primeiras demos que lançamos há anos são diferentes de hoje. Estamos amadurecendo.

Temos hoje no Brasil um sertanejo descaradamente pop. No meio que se chamava 'indie' ou 'alternativo', parece que há um medo do pop: muitos vão para o lado da MPB mais retrô, ou para o experimental. Vocês quiseram assumir o lado acessível?
Mateus Sanches -
Sem dúvida a gente queria esse lado pop. Mas é complicado fazer em português música eletrônica, indie, ou o que quer que você queira chamar. Fazendo o disco, em vários momentos a gente pensava: “Isso está parecendo sertanejo”. Para outras bandas, o fato de cantar em inglês faz a coisa parecer mais underground, mesmo que eles estejam fazendo algo pop. E na hora de fazer em português, muita gente tem medo. No começo da banda a gente deixava a música estranha para fugir de qualquer possiblidade de soar cafona. Essa foi uma dificuldade, de fazer pop e não ser brega. Aí entra essa coisa de equilibrar, como uma letra de amor que não seja muito melosa.


A história da Tereza, que inspirou o nome da banda, se parece com a da Anna Júlia, da música dos Los Hermanos, já que ninguém da banda ficou com ela. Vocês sofreram pela Tereza também?
Mateus Sanches - A gente nunca sofreu pela Teresa. Se algum integrante sofreu, não contou. Todo o colégio era apaixonado, ela era a bonitona da escola. Escolhemos o nome pois tinha uma história boa por trás. Mas é uma amiga, sempre foi uma amiga. Ela foi na festa que a gente fez para comemorar o Prêmio Multishow.

E na festa da premiação houve algum encontro com artistas mais conhecidos?
Mateus Sanches -
O pessoal do NxZero veio falar com a gente. É uma banda completamente diferente da nossa. Mas ele falaram que ficaram arrepiados quando nos viram comemorando. Ninguém estava comemorando muito, mas a gente vibrou bastante. A gente viu que foi sincero quando eles falaram isso. Foi legal, fez minha noite. E é legal ver uma banda consolidada, deixou a gente mais animado, ver que estamos perto disso.


Triângulos amorosos, rinha de egos, drogas e traições são os ingredientes do coquetel molotov que deu fim à banda de rock Ira! em 2007, após 26 anos de estrada. A combinação explosiva pode ser revisitada na biografia autorizada de Nasi — ex-vocalista e líder do grupo, fundado nos anos 80 — escrita por Alexandre Petillo e Mauro Beting.

Nas estatísticas do cantor, apenas 20% da obra "A ira de Nasi" aborda novas e antigas polêmicas sobre o extinto conjunto. Embora tenha mensagens claras destinadas a cada um dos antigos parceiros nas páginas finais, ele garante que o livro não é uma provocação. “Não fiz para agredir ou passar a mão na cabeça de ninguém.”
 
 
Em entrevista, Nasi avalia com acidez o cenário nacional do rock e diz não temer que o livro sepulte oficialmente a banda. “Não tenho medo disso. Não estou nem ai se o Ira! vai voltar um dia. Estou muito bem do jeito que estou.” Para que houvesse uma turnê de despedida, seria necessário, antes, que ele e o guitarrista Edgard Scandurra tivessem um debate franco, numa espécie de acareação.

“Só deveria voltar se realmente eu e o Edgard sentássemos juntos pra conversar. Olha, a gente se magoou, se machucou, vamos fazer uma turnê de despedida? Vamos falar o que está engasgado um pro outro, fechar isso. Se tiver que sair no tapa sai, como é em várias atividades, no futebol, e no rock acontece muito. Mas isso não vai acontecer. Não consigo ver por causa do Edgard, pelo jeito dele. Um poço de sensibilidade."

O convite para escrever sua biografia partiu da editora, mas você sentia vontade do registro e de dar a sua versão dos fatos?
Nasi - Não tinha parado pra pensar nisso ainda. Minha versão já tinha saído de maneira bem presente na mídia. Não sentia essa necessidade, mesmo porque o livro não tem a intenção de ser um acerto de contas, a palavra final. Acho que ele fala 20% dos meus aspectos da separação do Ira!, ou novidades que levaram a separação da banda.

Por que não tem fotos do Ira! no livro?
Nasi - Achei por bem e por precaução judicial não explorar a imagem de ninguém que não fosse a minha pessoa, ou de músicos que estão em contato comigo. A forma como o Ira! acabou, por mais que não tenha litígios judiciais, a ferida ainda está um pouco aberta. Não queria que amanhã ou depois alguém chegasse e falasse assim: "olha, o uso indevido da minha imagem". Infelizmente isso são coisas que permeiam as biografias. Pra não deixar margem à dúvida, e como é algo centrado na minha pessoa, procurei não utilizar a imagem dos outros membros. Canja de galinha e cuidado não custam nada.

Em uma das entrevistas da biografia você diz que o melhor disco do Ira! nunca foi gravado. Isso é um assunto pendente, uma frustração, ou apenas uma constatação?
Nasi - É uma constatação. Não digo uma frustração, mas uma lamentação, porque o Ira! teve um período criativo muito bacana de 83 até o final de 84. Era um período em que nos dividíamos em outros trabalhos. Era quase um movimento que existia em São Paulo, do rock paulistano. Eu acho que desse curto período o Ira! teve uma sonoridade muito particular que não se repetiu em outras obras. Um punk ácido, dissonante, muito intenso, um repertório que depois, algumas dessas músicas foram lançadas até como complemento de outros álbuns, mas totalmente fora de contexto. Lamento que naquela época estivéssemos à margem da indústria. Tínhamos um contrato com a Warner, mas estávamos na geladeira da gravadora. Se tivéssemos registrado, eram músicas difíceis de tocar em rádio, mas de uma intensidade, um trabalho, uma versão que só quem viu naquela época pode conferir.

No capítulo 12 da obra você afirma: 'Víamos o rock nacional se transformar em uma imensa bosta, sendo vendido como mercadoria de quinta categoria'. Acha que conseguiram conter esse movimento? Como analisa a produção hoje?
Nasi - Toda vez que um movimento hegemônico se apresenta, não interessa qual é o gênero musical, o mais prejudicado é o próprio estilo. Apesar da década de 80 ter gerado artistas seminais como Barão Vermelho e Cazuza, Renato Russo e a Legião Urbana, Titãs, Ultraje [a Rigor], pra cada um desses existiam 10 Dr. Silvana [banda de rock carioca], e outras porcarias que falavam em nome do rock e preenchiam os programas de auditório. O rock se desgastou muito nessa época. Como gênero musical, deixou que suas principais características de rebeldia, discurso e atitude e até de uma música mais agressiva, fosse passado para um gênero que virou, em muitos momentos, comercial de sandália Melissa. Sobre agora: antigamente era pior, depois foi piorando. Apesar de trabalhos muito legais como O Rappa e Planet Hemp, tivemos um declínio importante de discurso. Faltaram, tirando essas poucas exceções que eu citei, novos poetas. Mas acredito que a criatividade é cíclica. Novamente virá um gênero que agrida as convenções estabelecidas.
 
Se antigamente para cada banda boa de rock existiam '10 porcarias', hoje qual seria a sua estatística?
Nasi - Hoje não tem mais bandas boas.
 Na biografia, você diz que exagerou na famosa entrevista a uma revista masculina, em 2006, ao declarar que já tinha transado com 1150 mulheres. Você realmente contabilizou suas conquistas?
Nasi - Óbvio que eu nunca contei. Mas eu tenho minha avaliação de quantos shows eu já fiz na vida. Poderia dizer pra você como um homem que viveu bastante nesse sentido, como um cantor de rock solteiro, que eu tive pro número de shows que eu fiz, que passam de dois mil, digamos assim, prorrogação depois.
 
A droga no começo do livro é relatada como importante fonte de inspiração. Depois, mostra seu sofrimento para manter-se limpo. Qual foi o papel da cocaína na sua vida?
Nasi - Quando voltei a cheirar em 1991, foi um período que eu tinha mais uma vez fracassado em um relacionamento e vivia enfurnado na minha casa fumando [maconha] desde que eu acordava. Depois, fui entender que o estado mórbido e até depressivo não era só pelo fracasso amoroso, ou por dúvidas que naquele momento da profissão e carreira se apresentavam — a década de 90 foi uma decadência, não só pro Ira!, mas pro rock nacional em geral —. Toda aquela maconha me tornava uma pessoa mais fechada. Quando a cocaína veio, eu comecei a discotecar na noite paulistana. E foi um "pó de pirlimpimpim". Expansão do ego, comunicabilidade. Foi meio que uma cura. Esse foi o grande erro. Na hora que percebi que alterava minha saúde, sanidade, não consegui mais sair. Passava a usar pra viver e viver pra usar. Quando você é jovem, a experimentação vem muito forte. Hoje eu não acredito que a criatividade tenha a ver com o uso de drogas.
 
Não vê mais sentido na expressão 'Sexo, drogas e rock and roll'?
Nasi - Existe uma ideia sobre os anos 60 e as drogas que pertencem ao contexto da contracultura. Liberação politica, sexual e ideológica. A droga fez parte do ponche desse momento e de uma inocência muito grande. Hoje temos os estudos sobre as sequelas, e sabemos como funciona o mundo do crime e do tráfico. Nos anos 60 existia razão pra inocência da droga como fator de libertação. Hoje não temos mais o direito. Naquele baseado que você fuma, no pó que você cheira, existe sangue de criança para o produto chegar fresquinho na sua mão. Esse trinômio não faz mais sentido. 
 
Tem alguma sugestão para um novo trinômio?
Nasi - Sexo, dopamina e rock and roll.
 
A quem você credita o final do Ira!? No livro você afirma que o Edgard foi o mentor da separação. Mas não foi um coquetel formado por mulher, traição, cocaína e egos?
Nasi - Eu acho que todo esse coquetel, sem dúvida, o choque de egos em primeiro plano, e a nossa relação infantilizada. Enquanto o Ira! viveu na clandestinidade e no amadorismo, nós funcionávamos muito bem. Quando a esfinge do sucesso apareceu na nossa frente e disse “decifra-me ou te devoro” começamos a ser devorados. Em 2005, sou chamado pelo meu empresário pra mostrar um e-mail que o Edgard mandou pra ele, quando estávamos nos preparando para fazer o último disco do Ira!, onde o Edgard justifica toda a incapacidade de compor, porque não esquecia o que tinha acontecido há dez anos. Naquele momento, no meio da turnê, reuni a banda no camarim e falei que no final do ano ia embora. O Edgard pediu pelo amor de Deus para eu não sair. Cheguei e falei: 'ta bom'. Só que já estava decidido que o Ira! precisava de um tempo. Quando eu digo que o Edgard é o mentor, é porque existe um documento, que inclusive é público, chamado Carta de Finalização de Trabalho, escrita pelo meu irmão.Tem trechos dela no livro, e fala que o Edgard já vinha insistindo, desde a década de 90, dizendo "esse é meu último disco, essa é minha a última turnê", quase como se fosse um exercício de poder. Hoje eu vejo isso porque na hora que eu falei "vamos dar um tempo" ele deveria ter sido o primeiro a falar: "Nasi, você tem razão".

A Beatriz [namorada de Edgard em 1994, que teve um relacionamento Nasi na mesma época] foi um drama ressuscitado durante a gravação do Acústico MTV. Mas, pela descrição no livro, ela parece ter sido uma mulher secundária pra você. Se arrepende? Por qual razão decidiu revelar trechos das cartas que ela te enviava na biografia?
Nasi:
Entreguei o original de todas as cartas ao Mauro Beting e deixei a critério dele escolher trechos para publicar. Expus isso porque poderia parecer uma história que eu estou inventando, supervalorizando. Os trechos escolhidos mostram que não foi uma sacanagem, foi uma fera, aconteceu. E quando a gente se viu brincando de fogo, todos se queimaram. Última vez que o Edgard trouxe isso à tona foi em 2006 num e-mail difamatório, agressivo que ele não teve nem coragem de mandar pra mim. Eu não poderia me arrepender hoje porque estou muito bem do jeito que estou, voltando agora em um relacionamento, que espero que tenha um prosseguimento mais adulto do que tive em toda minha vida. É uma meta minha me relacionar de uma maneira adulta. Eu estaria negando tudo isso. Mas durante muito tempo eu pensei que ela era uma menina muito bacana, que estava realmente apaixonada por mim. Seria uma pessoa legal para ter um relacionamento. Mas eu não tinha condições e nem coragem, essa é a verdade. Eu sabia que se eu chegasse e falasse [pro Edgard]: Olha, ela está se separando de você e nós vamos ficar juntos, seria falar "acabou o Ira!".
 
O livro mostra o seu ego e o do Edgard se digladiando o tempo todo. Mas no final, sua mensagem é positiva para ele, e rancorosa com o André Jung [baterista do Ira!]. Por quê?
Nasi - Eu procuro nem falar muito dele. Eu tenho uma história com o Edgard. Nós saímos da escola praticamente pro mundo musical juntos. Tenho um respeito muito grande por ele como músico, apesar dele viver hoje — e há muito tempo — uma crise criativa, que ele deveria olhar com menos arrogância, ou de uma maneira mais humana, humilde, talvez voltasse pra ele algumas inspirações mais superiores, eu não posso deixar de reconhecer que sempre fui fã dele como músico, antes de ter uma banda. Já tem esse respeito musical que me faz separar a pessoa do artista. Ao artista, eu realmente desejo tudo de bom. É um cara que ainda tem muito pra dar à música brasileira. O cara mais amigo que ele teve na vida fui eu. Eu que levei ele pro Ira! Os Titãs quando demitiram o André, colocaram a culpa nele pela falta de "peso" na banda. É como se um grande clube fosse trazer um jogador da série C pra ser o camisa 10. E eu banquei isso durante muito tempo. Às vezes quando a gente ajuda muito uma pessoa, a gente humilha ela. E pode provocar raiva. Acho que o André tinha algum complexo de inferioridade comigo.

Um reencontro na formação original, então, seria impossível?
Nasi - Eu não vejo horizonte pro Ira! voltar. Se em 27 anos a gente não digeriu isso ai, não vai ser agora em dois, três meses. Mas o Edgard, pelo músico que é, eu vejo uma possibilidade hipotética. Mas com o André eu não toco nunca mais. Pela pessoa que ele é e, principalmente, pelo baterista que ele não é.

"Meu pai ficou louco", conta Pipo Marques, de 18 anos, sobre o dia em que ele e o irmão, Rafa, 24, disseram à família que queriam ser cantores. O patriarca Bell, líder do Chiclete com Banana, admite que ficou preocupado. "Quando eles falaram, eu e Aninha [esposa e mãe] fomos contra. Tenho experiência suficiente para saber que é uma carreira desgastante. Perdem-se os amigos e, se não tiver uma boa estrutura, acaba destruindo a família. O sucesso é uma coisa perigosa", diz Bell. 

Mas os garotos insistiram no desejo, e com acompanhamento do pai, criaram a banda de axé Oito7Nove4. O nome vem do ano de nascimento de Rafa, 1987, e Pipo, 1994. Bell monitorou doze meses de ensaios até estar certo de que os filhos estavam "preparados". Após duas temporadas de Carnaval e micaretas no Nordeste, eles estreiam a apresentação da banda em São Paulo, nesta quinta-feira (13). O show é fechado para convidados, mas será registrado pelo serviço de vídeo online Vevo, parceiro do YouTube que fornece conteúdo de gravadoras como Sony e Universal.

A apresentação do Oito7Nove4 estará disponível para visualização no domingo (16), no site Vevo.com. Depois, o vídeo entra no ar no canal da banda no YouTube.
A dupla é a primeira aposta do programa "Vevo lift", em estreia no Brasil. A série de vídeos para a web com novos artistas existe em outros países e já contou, por exemplo, com a cantora Jessie J e a boy band One Direction na Inglaterra. A parceria também prevê produção de videoclipes e outros shows especiais a serem marcados.


Rafa sabe que o axé é hoje menos popular nacionalmente do que no auge do a carreira do pai, nos anos 90. "No meu ponto de vista, o sucesso dos gêneros musicas no Brasil vem em ciclos. Cada época tem um gênero que se destaca mais. Como já foi sertanejo, samba, axé, depois sertanejo novamente. Eu torço para que o axé volte a ser mais popular, ter aquela dimensão", diz. Mas eles não querem carregar o "fardo" de renovar um gênero. "A gente está começando, se é uma renovação é o público que vai dizer."

O caçula Pipo também evita cobranças. "Sempre que o pessoal fala em renovação do axé nossa perna treme [risos]. Mas gostamos da expectativa, pois mostra que temos passado uma boa impressão", comemora. Eles contam que venderam em nove dias todos os abadás para o bloco de carnaval que criaram em Salvador, o Banana Coral, em 2011. A música "Se não puder voar", maior sucesso até agora, tem mais de 1 milhão de views no YouTube.

"Cada vez te amo mais", disco lançado em janeiro de 2012, com maior divulgação na Bahia, é baseado em axé romântico. O Oito7Nove4 também toca músicas do Chiclete Com Banana nos shows e está preparado para as comparações, conforme aviso do pai: "Filhos, vocês têm um pai famoso, e isso é um carma muito grande. Vão ter que estudar e trabalhar muito para provar que têm talento".

Rafa lembra que, antes do primeiro show, em 2011, foi pedir conselho ao pai. "Ele falou que não tinha dica nenhuma. 'Vocês viram o que eu estava fazendo durante toda a vida. A única coisa é se divertir. O resto está no subconsciente de vocês.'"


Mais de uma hora antes de a apresentação de Taylor Swift começar, os cerca de mil fãs que ganharam ingresso para o Citibank Hall, na Barra da Tijuca, Zona Sul do Rio de Janeiro, já cantavam cada verso e gritavam ao início de cada clipe exibido no telão. Vencedora de seis prêmios Grammy, eleita a mulher do ano pela “Billboard” e celebridade teen mais bem paga do mundo, a cantora norte-americana debutou em solo brasileiro na noite desta quinta-feira (13). Em um showcase de 40 minutos, iniciado às 21h40, com 10 minutos de atraso, tocou os principais hits e fez o primeiro dueto ao vivo com Paula Fernandes, com quem divide a canção "Long live".

A faixa foi a última da noite, que começou com “Sparks fly”. Após a abertura, um longo silêncio para ouvir a plateia gritar seu nome e palavras de amor, retribuídas sem muita originalidade, mas o suficiente para os presentes delirarem. “Eu amo o Brasil. Obrigada.”


O show seguiu com “Leave me alone” e “Mean” e o antigo hit “Love Story”. Entre as faixas, Taylor arriscava outras palavras em português como “briga”, ao falar sobre músicas de rompimentos, e elogiava os fãs. “É minha primeira vez no Brasil, tinha um sentimento de que vocês seriam ótimos.”

Sentada em um sofá com seu violão elétrico, emendou mais agradecimentos antes da canção “Fifteen”, que precedeu o hit do momento, “We are never ever getting back together”, que chegou ao primeiro lugar no ranking do iTunes e no Top Digital Songs da "Billboard" em seu lançamento.

Com 35 minutos de show, Taylor chamou Paula ao palco. “Tenho uma honra muito especial de cantar com essa cantora brasileira tão maravilhosa. E muito amável, pois não estaria livre hoje à noite, mas conseguiu vir. Senhoras e senhores, recebam no palco Paula Fernandes.”

As duas beldades, uma loira e uma morena, um violão prateado e outro marrom, cantaram juntas para fechar a noite. Paula e o público misturaram os trechos em inglês e português, enquanto Taylor não se arriscou fora de sua lingua. Um abraço ao fim da música e as duas saíram de mãos dadas para encerrar o show.

“Quando eu voltar [ao Brasil] será um show maior e melhor”, prometeu Taylor após a apresentação, ao responder perguntas respondidas de fãs sorteadas pelo patricinador, com apresentação da atriz Marcela Ricca.


Perguntada sobre quem seria se pudesse ser outra pessoas, escolheu uma atriz com o biotipo bem parecido: “Seria Gwyneth Paltrow . Ela é tão tão bonita, tão legal e tem filhos lindos. Definitivamente seria ela.”

Taylor subiu ao palco acompanhada de banda formada por Dave Cook (teclados), Caitlin Evanson (violão), Al Wilson (bateria), Mike Meadows, Paul Sidoti e Grant Mickelson (guitarras), Amos Heller (baixo) e Melanie Nyema, Kamillah Marshall, Clare Turton e Carly Thomas Smith (vocais).



Software compõe melodia automaticamente a partir de dados gravados durante o sono de um indivíduo


Especialistas finlandeses em informática desenvolveram um programa de computador que compõe música automaticamente a partir de dados gravados durante o sono de um indivíduo.

"Este programa compõe uma peça única baseada em diferentes fases do sono, o movimento, os ritmos cardíacos e respiratórios. Ele condensa toda uma noite de sono em alguns minutos" de música, explicou, em um comunicado, a criadora do software, Aurora Tulilaulu, estudante da Universidade de Helsinque.

Para compor a melodia, os ritmos, as mudanças de ritmo ou definir as variações de volume, o processo aplica princípios bem conhecido dos musicólogos para transcrever os dados gravados durante o sono.

Contudo, para obter todos estes dados é preciso usar um aparelho de detecção que se coloca sobre o colchão do indivíduo.

Na falta de um detector como estes, é sempre possível acessar o site do programa (http://sleepmusicalization.net/) para ouvir as composições de outros dorminhocos.

Segundo o site, o objetivo do projeto é "ajudar os usuários a compreender e analisar a estrutura de seu sono para melhorar a qualidade".

Related Posts with Thumbnails